Saudações Musiqueiros de Plantão! Essa semana caiu no meu feed de videos do Youtube um artista que apenas faz versões de músicas eletrônicas/hip-hop/pop utilizando do seu instrumento, a bateria. E achei que tem algo de interessante nesses “drum mix” ou “drum cover”, pois alguns gêneros musicais como os citados acima utilizavam da gravação real de baterias e com o tempo foram substituídas pelos computadores e seus diversos recursos para a criação de ritmos, logo os bateristas estão defendendo sua função e criando linhas insanas de bateria para as músicas.

Quem começou com isso? É uma pergunta arriscada de se responder, mas quem popularizou os drum mix há 7 ou 8 anos atrás foi Travis Barker, o baterista do Blink 182, a fazer um vídeo em sua casa mesmo tocando a música Crank That do Soulja Boy. A partir disso não só Travis, mas como outros bateristas fizeram suas gravações em casa.

Existe genialidade em uma drum mix? Sem dúvida alguma: a construção de uma linha rítmica é umas das propriedades mais importantes da música, e a criatividade para reconstruir uma linha já existente também deve ser levada em consideração. A fusão de gêneros é algo muito interessante também, uma vez que na maioria vemos bateristas de rock fazendo versões de músicas pop.

Apreciem as versões escolhidas por mim abaixo, e uma atenção especial ao dubstep é considerado pois o ritmo é extremamente torto. Tenham uma boa vida!

Newsletter Troca o Disco
Receba novidades com antecedência em seu e-mail
Seu e-mail não será compartilhado.