Fãs de música eletrônica, rock progressivo e sintetizadores em geral, é hora de comemorar! A Moog Music anunciou que está voltando a fabricar seu mais famoso e influente produto: o clássico teclado/ sintetizador Minimoog Model D, com o mesmo visual dos anos 70 e componentes das antigas (e só alguns elementos adicionados, como controle de MIDI) para você tirar o mesmo som de antigamente.

Mas por que um pequeno teclado com uma parede de botões em cima, feito de madeira de revestimento de parede, é tão importante para a história da música moderna? Porque seu som (curiosamente obtido através de um erro de cálculo de um dos engenheiros eletrônicos envolvidos) conquistou inúmeros grandes artistas dos anos 70 e 80, fazendo uso incessante de seus recursos, tornando-se, assim, um som característico de estilos como o rock progressivo e a música eletrônica.

Um sintetizador portátil

Em 1971, a empresa R.A. Moog, de Nova Iorque, já era famosa pelos seus incríveis (e enormes) sintetizadores de som, amplificadores de guitarra e pela criação de um certo instrumento muito estranho, capaz de executar notas apenas aproximando as mãos nele

O dr. Robert A. Moog, criador do sintetizador, tinha o desejo de criar uma versão portátil dos seus pesados sistemas modulares, sem perder o poder sonoro que suas invenções já proporcionavam desde meados dos anos 60.

Keith Emerson, do ELP, era um dos muitos tecladistas dos anos 60/70 que não abriam mão de seu sintetizador Moog ligado ao seu instrumento.

Ao lado de Moog, o engenheiro Bill Hemsath construiu o primeiro protótipo (o modelo A) a partir de peças sobressalentes de sua oficina. Retirando as teclas das pontas de um teclado de cinco oitavas para transformá-lo em um teclado de três oitavas, Bill inseriu um botão para aumentar e diminuir a escala do teclado eletronicamente, compensando assim as teclas que faltavam. Um pequeno sintetizador foi acoplado na parte de cima do instrumento – e essa foi a primeira vez que um teclado virou um sintetizador.

Os fãs do Minimoog

Como todo sintetizador monofônico, ele não era usado para fazer acordes (apenas uma nota por vez é executada), sendo muito utilizado para solos e composição de riffs de rock, entre outros estilos nos anos 70. Que tal alguns exemplos?

Entre seu arsenal de teclados, Rick Wakeman (Yes) não abria mão de seu Minimoog em composições como a clássica Starship Trooper

Entre muitas outras músicas dessa banda, alguns dos momentos de teclado mais famosos do Emerson, Lake & Palmer são os solos de Lucky Man, feitos com o Minimoog

Entre os álbuns A Farewell to Kings e Moving Pictures, o Rush passou a fazer uso de teclados em segundo plano de suas composições, tendo um ou outro riff ou solo em algumas – adivinha qual o sintetizador que Geddy Lee mais gostava de usar nessa época?

O Pink Floyd também fez muito uso do Minimoog, principalmente no algum Wish You Were Here – a faixa Shine On You Crazy Diamond tem momentos memoráveis da sonoridade do instrumento.

Não é só no rock que o Minimoog se fazia presente: Chick Corea usou e abusou dos solos do tecladinho para fazer seu fusion.

Até o reggae fez uso do viajante som do Minimoog – olha Bob Marley aí, fazendo o teclado criar a ambientação de Stir It Up

Ainda nos anos 70, os alemães do Kraftwerk lançaram Autobahn, a pedra fundamental do que viria a ser a música eletrônica dos anos 80. Nesse álbum, o Minimoog era praticamente a base de tudo…

Gary Numan abraçou o Minimoog à medida que ia, aos poucos, se afastando dos instrumentos elétricos.

Nos anos 80, o Minimoog foi absoluto com o surgimento do post-punk e da new wave! Bandas como DEVO surgiram trazendo um som mais robótico, eletrônico, robotizado… E o sintetizador portátil foi perfeito para dar a característica sonora desse movimento.

Não pense que a new wave deixou o Minimoog fora das pistas de dança: Herbie Hancock também fez uso do aparelho para fazer a galera se mexer em clássicos dessa época como Rockit

E adivinha em que música (entre outras) do álbum mais vendido de todos os tempos o Minimoog marca presença…

Esses são apenas alguns nomes entre muitos artistas e bandas que são fãs do Minimoog até hoje, como Beatles, Stones, Abba, Frank Zappa, Toto, Funkadelic/ Parliament, Beach Boys, Electric Light Orchestra, New Order, Ultravox, Blondie, Franz Ferdinand, Nine Inch Nails, U2, The Doors, Peter Gabriel, Police, Vangelis, Depeche Mode, Genesis, Lou Reed, Hans Zimmer, Duran Duran, Jethro Tull, Stereolab, King Crimson, MGMT e Kool & the Gang entre muitos, muitos outros.

Eu quero meu Minimoog!

O novo Minimoog pode ser encomendado através das distribuidoras oficiais da Moog – aqui na Ilha de VeraCruz, podemos bater na porta do Grupo Studio Brazil, mas prepare o bolso: como a fabricação do Minimoog é praticamente artesanal (assim como era nos anos 70) e a empresa faz questão de inserir componentes daquela época (cada vez mais difíceis de se encontrar no mercado) para recuperar o som original, poucas unidades são feitas por mês, fazendo com que cada unidade custe US$3749.

Newsletter Troca o Disco
Receba novidades com antecedência em seu e-mail
Seu e-mail não será compartilhado.