Saudações Musiqueiros de Plantão! Foi liberada hoje a lista das atrações oficiais do Lollapalooza Brasil 2017. O festival, como de costume, acontecerá durante dois dias (25 e 26 março) no Autódromo de Interlagos, mas vamos ao que interessa: falar das bandas que nos fazem sair do sofá de casa e ir até lá para vivenciar tudo isso.

14441135_1121657411235840_7328431020256745105_n

Começar pela maior de todas, o Metallica: a banda já bate cartão no Brasil com quase 1 show por ano, no máximo 2 anos de hiato. A diferença é que depois de um bom tempo com o mesmo set, teremos um show com a turnê do álbum novo, Hardwired…To Self Destruct. Mas mesmo o Lolla sendo um festival eclético eu achei a banda de Metal desconexa com o evento, mas sim irá atrair muitos fãs.

The Strokes também está com trabalho novo, e são um dos “semideuses” do indie rock, logo, representam muito bem como headliners de um festival taxado como indie até o talo.

The Weeknd é um dos artistas que estou mais ansioso para ver o show, pois desde o lançamento do seu disco “Beauty Behind The Madness”, só elogios para o menino Abel. Sendo o headline de Rap/R&B desse ano, vem com um single novo lançado em collab com Daft Punk, mas com certeza o que o público aguarda é um show dos seus hits como “I Can’t Feel My Face”.

The XX, The Chainsmokers e Flume vêm como uma trinca de música eletrônica entre os maiores do festival, totalmente na contramão do EDM. Os três grupos/DJs vêm com um som mais chill out/trip hop. Será a segunda vez do The XX no evento e sem nenhum trabalho novo, o Chainsmokers tem mudado o seu som e vindo com algo mais na onda de “Drop” do famigerado DJ Flume, ele está ditando tendência dentro do mundo da eletrônica e vem com a turnê do seu disco lançado no começo desse ano o “Skin”.

lolla-bad

Repetindo a dose de punk rock desse ano, que teve Bad Religion, o Lolla manteve o equilibrio de gêneros e trouxe o Rancid, outra banda clássica.944092_988096521258597_5332676906000960778_n Diferente do The Weeknd, temos o G-Eazy que é realmente um rapper, sendo o único do festival também. Eu acho suas rimas de muito bom gosto, ele foi o único rapper a participar do mais novo trabalho da Britney, o álbum “Glory”.

Para o rap nacional esse ano temos o grande Criolo e Haikaiss, mas isso já deu uma enjoada: ficar trocando entre Emicida e Criolo durante os anos acaba ficando maçante, mas não que os shows sejam ruins.

Two Door Cinema Club, Cage The Elephant, Silversun Pickups e Catfish The Bootlemen, vêm para a afirmar mais o lado indie do festival, sendo a terceira vez do Cage no evento, mas sempre com um álbum novo nos shows do Brasil, o show deles tem uma energia incrível, e com certeza será minha terceira vez na plateia deles.

Outro destaque vem para a cena de música eletrônica do Brasil, com uma galera de peso como Vintage Culture, Chemical Surf, Ilusionize, Gabriel Boni, Victor Ruiz, vindo com tudo no Deep House.

O Folk desse ano está mais fraco ficando por conta do Vance Joy e da banda nacional Suricato, visando que ano passado tivemos Munford e Of Monsters And Men.

Não posso me esquecer do Duran Duran que sinceramente não me atrai muito, principalmente se bater horário com outro grande show, mas é uma banda clássica com hits conhecidos por todos.

*Não podemos esquecer que ainda tem uma atração surpresa a ser revelada no dia 16 de Outubro.

Resumo:

De maneira geral o festival está muito bem equilibrado como sempre, com artistas em ascensão ou consagrados de ambos os estilos, o que me incomoda um pouco é a repetição frequente de artistas durante as edições. Em comparação com lines passados do Lolla não creio que esse seja o melhor, mas está trazendo coisas que estão quentes para o momento. Eu sinceramente focaria mais em bandas do que em DJs, pois já temos outros festivais que fazem isso no Brasil.

Fiquem no esquenta com essa playlist montada pelo Spotify já com os singles dos artistas que iram performar no evento.

Se vocês quiserem relembrar o nosso podcast sobre o Lollapalooza 2016, só acessar http://bit.ly/1nK1pub

Nos encontramos lá!

 

  • Julio

    Bom texto. Particularmente, o que me atraiu nesse line up foram as cantoras,como Tove Lo e Mo (que tem hits bombados por aí) e Melanie Martinez (que lançou um baita disco em 2015, Cry Baby, e que lembra um pouco Banks e Kimbra). The Weeknd e Two Door Cinema Club tb são atrações inéditas bacanas, sem falar em Tegan and Sara que com certeza vai agradar os indies velhos (que nem eu). O resto do que gostei no line up eu já vi em outros festivais como SWU, Tim Festival, Planeta Terra Festival, etc. O problema mesmo é o preço, 920 reais para quem paga inteira é muito proibitivo. Vou aguardar sair a divisão do line up nos dois dias para decidir se vou ao festival ou se economizo o dinheiro ficando em casa com a patroa, assistindo pela TV e bebendo minha cerveja.

Newsletter Troca o Disco
Receba novidades com antecedência em seu e-mail
Seu e-mail não será compartilhado.