Album Review #20: Metallica – St. Anger

Metallica - St. Anger
3.0Pontuação geral
João Paulo
Henrique Machado
Bruno Hiago
Votação do leitor 13 Votos

A idéia do album review aqui no Troca o Disco é bater um papo sobre um disco que já está na agulha da galera, mas que gostaríamos também de dar a nossa opinião e abrir a discussão com você, querido musiqueiro!

Ouça também: Album Review #12: Metallica – Hardwired… to Self Destruct

Quem fala?
João Paulo, produtor musical e editor no Troca o Disco.
Henrique Machado, técnico em áudio, edição dos podcasts e revisão no Troca o Disco.
Bruno Hiago, músico, blueseiro de corpo e alma e publicitário.

 

 


Para download, clique com o botão direito e salvar arquivo como…

Colabore com o Troca o Disco no Padrim e receba brindes exclusivos!
Faça como: Carlos Del Valle, Glauber Coelho, Dienifer Schmitt, Rhamsés Soares, Matheus Eduardo, Pedro Cassimiro, Douglas Lombardi, Douglas Lima, Felipe Bonício, Pedro Geloso, Deyse Mello, Caio Manzaro, Caio Lívio, Danilo Battistini, Thaís Regina, Daniel Medina, Wedson Desiderário, Fábio Halmenschlager, Francine Emilia Costa, André Stábile, Glauce Leandres e Julio César Margraf.

Divulgue o Troca o Disco!
Não deixe de assinar nosso feed no itunes e dar 5 estrelinhas para o nosso Podcast
Críticas, elogios e sugestões para contato@trocaodisco.com.br

  • Mega Mendigo

    Estava esperando um episódio desses para confessar para alguém que gosto pra caramba desse álbum. Sei que a questão dos solos(sua ausência), músicas como a “Invisible kid” entre outras coisas “descredenciam” St. Anger, mas meu apego a ele é algo forte(apesar de não ser um fã do Metallica). Acho que esse apego se devea algo de qualidade tão duvidosa quanto esse álbum, que é o seriado Smallville. Em 2004 havia começado a 3ª temporada, pelo menos na tv aberta, e eu era muito vidrado na série. No primeiro episódio. durante toda uma sequência de ação que envolvia o protagonista meio que num momento “bad guy”, Frantic conduz toda a ação, e seu ritmo é, como o perdão do trocadilho, “frenético”. Somando-se a isso um hoje em dia extinto programa musical apresentava tempos depois a Frantic e St. Anger, me fazendo gostar ainda mais do álbum.

    O mais interessante é que na época gravei o clipe de Frantic que passou no programa de tv, e mostrei para alguns amigos que estavam na minha casa. Eles fizeram uma cara de nhé e disseram que não acharam muito legal. Ignorei na época e ignoro ainda hoje(mas entendo suas razões), e ainda gosto do álbum. Como é libertador poder falar isso!

    PS: Já assisti em loop desde que encontrei anos atrás o show Big Day Out – 2004, em especial quando performam a música Frantic!

Newsletter Troca o Disco
Receba novidades com antecedência em seu e-mail
Seu e-mail não será compartilhado.