Entenda a teoria da Frequência 432hz que envolve um pouco de ciência, espiritualidade e conspiração.

Quem fala?
João Paulo, produtor musical e editor no Troca o Disco.
Henrique Machado, técnico em áudio, edição dos podcasts e revisão no Troca o Disco.
Bruno Hiago, músico, blueseiro de corpo e alma e publicitário.


Para download, clique com o botão direito e “salvar arquivo como…”

Colabore com o Troca o Disco no Padrim e receba brindes exclusivos!
Faça como: Khalil Oliveira, Bruno Souza, Sergio Eduardo, Pedro Cassimiro, Gabriel Campos, Pedro Geloso, Carlos Del Valle, Glauber Coelho, Wedson Desidério, Fábio Halmenschlager, Francine Emilia Costa, Adhemar Cidasi, Douglas Lombardi, André Stábile, Cesar Mashima, Caio Livio, Glauce Leandres, Wilber Silva, Lukas Matos, Thaís Regina, Danilo Battistini, Daniel Medina, Carlos Ottoboni, Dario Fukichima, Filipe Fernandes, Julio César, Caio Manzaro, Rogerio Nascimento, Luciano Pires e Léo Lopes.

Confira as Sessions que já rolaram por aqui na íntegra clicando aqui.

Divulgue o Troca o Disco!
Não deixe de assinar nosso feed no itunes e dar 5 estrelinhas para o nosso Podcast
Críticas, elogios e sugestões para contato@trocaodisco.com.br
Arte da Capa: Eder Oliveira

  • Luís Antônio Tomazelli

    Gostaria de acrescentar que a teoria levantada no episódio de que a duração da nota influência na nossa percepção de sua frequência não possui muita lógica, já que, apesar de medirmos o pitch da nota pela sua frequência, ele está mais relacionado a velocidade da onda. Medimos a velocidade da onda em Hz, que representa a quantidade de oscilações por minuto da onda sonora.
    Acho muito mais interessante a comparação entre afinações justa e temperada, que realmente influenciam o modo de como a música soa. A afinação justa está ligada diretamente com a origem da música, com Pitágoras. Nela, cada escala possui uma sonoridade ligeiramente diferente da outra. Já na afinação temperada contemporânea, a distancia entre todas as notas são iguais. No mais, excelentes bolachadas, como sempre.

  • Vitor Monte

    MEU DEUS COMO PODE LONDON GRAMMAR SER TÃO FODA?!

    Muito legal o tema caras, mas acho que um tema de tamanha complexidade exigiria a participação de um especialista. O que me faz lembrar daquele episódio com um maestro, foi de cair o cú da bunda.

    Puta que me pariu, essa mina do London Grammar canta só um pouco.

    O formato sem edição e a interação com a trilha são os maiores triunfos desse podcast, sem mencionar o carisma dos hosts ne. Parabéns, saudades do Henrique Ribeiro.
    Beijos nos corações.

    PS: E esse London Grammar hein? Já falei q é foda?

    • Rubens Bartolassi

      Eu fiquei impressionado também quando ouvi London Grammar!

  • Fabio Rodriges

    Muito interessante o tema! Parabéns a toda equipe do podcast!
    sobre as indicações, todas excelentes! mas sobre a ultima indicação, me lembrou muito badbadnotgood. Que também tem essa
    pegada de jazz com graves de hip-hop.
    Como indicação aos musiqueiros, gostaria pedir a atenção a Shawn James, em especial a música Through the Valley. Descobri o artista
    por meio de um trailler de game, e fui atrás das outras músicas,e fiquei surpreso com a qualidade do cd como um todo.

    Forte abraço a todos!

  • Estou renderizando a parte do Np Cast em que falamos do nosso Padrim em 432 Hz nos últimos dois meses, até agora a diferença é notável, perdemos dois padrins…

    Ótimo programa galera, valeu!

Newsletter Troca o Disco
Receba novidades com antecedência em seu e-mail
Seu e-mail não será compartilhado.