Deixando um pouco de lado a parte em que devemos teoricamente divulgar música de qualidade aqui e indo de encontro ao humor semeado ao longo de vários episódios. Resolvi dessa vez, compartilhar algo completamente peculiar entre os diversos vídeos de música cover que se encontram YouTube afora. Se você assim como eu, tem riso fácil com coisa ruim, vai gostar do que eu trouxe.

Tocar na noite te traz uma necessidade de inovação constante, e é importante que se ensaie ao menos 3 músicas novas ao longo da semana para atender aquele pedido antigo, se manter atualizado e fazer com que o dono do bar não perceba que seu set-list se tornou repetitivo. Pois bem, há pouco tempo pediram-nos a música So Much To Say, da maravilhosa Dave Mattews Band. É sempre legal buscar uma referência diferente na hora de ensaiar uma música nova, e busco isso analisando algumas versões feitas por cidadãos comuns, como você e eu, no YouTube.

Depois de ver algumas ótimas execuções, acabei me deparando com versões raríssimas. Vídeos daqueles com 70 views, um like e meio comentário. Selecionei dois casos fora do comum em uma versão com a melodia alterada de forma tonal e rítmica, dando um tempero diferenciado pra música. Além desses que estão no post, existem várias outras pérolas de So Much To Say.

Objetivo, performático e eficaz! Note, não é fácil ter tanto desprendimento assim, jogar o braço pro alto, criar um novo tempo pra música (de dar inveja ao Pain Of Salvation), alterar sua estrutura e, como se fosse algo fácil, cantar de uma forma que mais parece estar debochando da melodia que o Dave Mattews criou. Começa em Fade in já mandando bala e termina como se nunca fosse acabar.

Imagine o seguinte, é 31 de Dezembro de 2013 e sim, a coisa mais importante pra ele naquele dia, o ponto final de seu ano, com certeza foi gravar esse vídeo. Repare, ele decorou a letra por gostar da música, mas não praticou o suficiente pra cantar e tocar ao mesmo tempo, e por isso, ele sente medo. Você consegue perceber a tensão correndo em suas veias, o olhar assustado, a preocupação com fogos de artifício que começam a pronunciar-se aos 26 segundos de vídeo, parte em que a melodia faz um contra-ponto indo pro grave e pro agudo rapidamente. Ele sabe que irá desafinar, nada isso importa pro que está por vir. Ao final do vídeo, exatamente aos 3:33 começa um show em que os gênios mais experientes da física não conseguiriam reproduzir.

Ao fim da música original (clique aqui para ver), a banda para e Dave canta “Open up my head and let me out”, depois estrondosamente a banda volta finalizando. Acontece exatamente isso nesse vídeo, porém, quem faz o papel da banda são os fogos de artifício, de forma sincronizada, perfeitamente no tempo. Desafiando todas as leis da física, na hora H, um rojão 12 tiros é disparado finalizando assim a música, exatamente como a banda faz, e o melhor, com um toque final do último “tiro”.

Me despeço com uma versão que me chamou atenção, dessa vez para lado bom. Não só tocou bem, como refez o arranjo melódico, dando sua personalidade pra música, sem deixar passar do limite.

Capa

Newsletter Troca o Disco
Receba novidades com antecedência em seu e-mail
Seu e-mail não será compartilhado.