Quando Black Sabbath nasceu novamente

Quando Black Sabbath nasceu novamente

Sou um grande fã de Black Sabbath, de várias fases da banda, mas sempre surpreendo ao dizer que meu disco favorito é o Born Again. Tirando a fase do Tony Martin nos vocais, acho que o este é o álbum mais ignorado pelos fãs, enquanto considero ele uma obra prima.

Costumeiramente vejo fãs da era Ozzy alegando que o Sabbath com o madman é muito mais macabro, soturno e original, enquanto com Ronnie James Dio teria se tornado apenas mais uma banda de Heavy Metal, o que até certo ponto entendo. Com Dio nos vocais a banda passou a soar muito diferente e a faceta sombria acabou ficando um pouco de lado, afinal um vocalista potente era frontman, e não mais aquela voz de satanás que o pequeno Osbourne possuía.

Porém, quando Ian Gillan (que já estava fora do Deep Purple há 6 anos) se junta ao Sabbath, parece que o grupo se renovou e criou um atmosfera tão dark que chega a ser perturbadora, isso somado aos agudos incríveis de Gillan, que sabia gritar como poucos.

Born Again foi lançado em 1983 e, infelizmente, foi o único disco com Gillan nos vocais. Porém, resultou em nove canções fantásticas e tenebrosas, com uma capa perturbadora de tão chocante e bizarra ao mesmo tempo. A única lástima em relação a este trabalho é a produção que deixa muito a desejar, meu sonho é ouvi-lo remasterizado. Quem sabe um dia…

Deixo aqui minhas três favoritas: a homônima, que carrega uma melancolia inigualável, Zero the Hero, uma das canções mais assustadoras que já ouvi, e Trashed, rápida e pegada.

Sobre o Autor
Apaixonado por Rock N' Roll e estudioso de todas suas vertentes. Encontrou aqui a oportunidade de colocar uma pitada de Rock no coração da galera.