Sou um grande fã de Black Sabbath, de várias fases da banda, mas sempre surpreendo ao dizer que meu disco favorito é o Born Again. Tirando a fase do Tony Martin nos vocais, acho que o este é o álbum mais ignorado pelos fãs, enquanto considero ele uma obra prima.

Costumeiramente vejo fãs da era Ozzy alegando que o Sabbath com o madman é muito mais macabro, soturno e original, enquanto com Ronnie James Dio teria se tornado apenas mais uma banda de Heavy Metal, o que até certo ponto entendo. Com Dio nos vocais a banda passou a soar muito diferente e a faceta sombria acabou ficando um pouco de lado, afinal um vocalista potente era frontman, e não mais aquela voz de satanás que o pequeno Osbourne possuía.

Porém, quando Ian Gillan (que já estava fora do Deep Purple há 6 anos) se junta ao Sabbath, parece que o grupo se renovou e criou um atmosfera tão dark que chega a ser perturbadora, isso somado aos agudos incríveis de Gillan, que sabia gritar como poucos.

Born Again foi lançado em 1983 e, infelizmente, foi o único disco com Gillan nos vocais. Porém, resultou em nove canções fantásticas e tenebrosas, com uma capa perturbadora de tão chocante e bizarra ao mesmo tempo. A única lástima em relação a este trabalho é a produção que deixa muito a desejar, meu sonho é ouvi-lo remasterizado. Quem sabe um dia…

Deixo aqui minhas três favoritas: a homônima, que carrega uma melancolia inigualável, Zero the Hero, uma das canções mais assustadoras que já ouvi, e Trashed, rápida e pegada.

Newsletter Troca o Disco
Receba novidades com antecedência em seu e-mail
Seu e-mail não será compartilhado.